Análise: Poder além da vida

A Imago Dei, a religião como símbolo na psicologia analítica
14 de maio de 2019
A religião como linguagem simbólica em Emile Durkheim e Carl Gustav Jung
21 de maio de 2019

Poder além da vida

Título: Poder além da vida

Ficha técnica:

Data de lançamento: 6 de maio de 2009 (Estados Unidos)

Diretor: Victor Salva

Receita bruta: $222.300 USD

Roteiro de: Dan Millman

Roteirista: Kevin Bernhardt

Resumo: 2009 · 2h. Romance/Drama

Enredo do filme:

O filme é baseado em fatos reais e pode ser considerado um material semiautobiográfico de Dan Millman, autor do livro intitulado O caminho do guerreiro pacífico (Way of the peaceful warrior). A partir desse livro foi criado o filme Poder além da vida, sob a direção de Victor Salva. O filme é classificado como drama e foi lançado nos Estados Unidos, no ano de 2006. O protagonista dessa trama é o próprio Dan Millman, interpretado pelo ator Scott Mechlowicz, o qual é um ginasta muito entusiasmado pelo que faz e desejoso em participar das Olimpíadas.

O homem adoece e cura-se, no contexto dos relacionamentos humanos. Sócrates é aquele sujeito que entra na vida do protagonista para produzir uma alquimia positiva de transformação. O feedback de Sócrates, suas perguntas poderosas levam o protagonista a ouvir o seu próprio coração e, assim, encontrar o seu próprio caminho de descoberta e superação.

As lições mais importantes do filme são:

  1. Vivemos em busca de sentido e realização pessoal. Nessa busca, procuramos as respostas sempre no meio externo e no outro – o grande outro lacaniano. Contudo, as melhors respostas estão sempre dentro de nós mesmos.

  2. Viver na dimensão do kairós, do aqui e agora, parece ser a única solução possivel para se viver e não para sobreviver.

O khronos é um tempo arbitrário que corresponde ao tempo histórico da experiência vivida. O khronos é o tempo da consciência, do lado esquerdo do hemisfério cerebral. O khronos situa o homem dentro do contexto histórico de passado, presente e futuro, o antes, o agora e o depois. Diante do khronos, todavia, a relevância do tempo recai sempre sobre o passado e sobre o futuro. O tempo presente parece fadado a desaparecer da experiência humana. O tempo presente parece escapar na narrativa, torna-se subjetivo. O khronos situa-se quase sempre num ponto em movimento em direção ao porvir (STERN, 2007, p. 27).

O tempo subjetivo, o agora, é o kairós. O kairós é o tempo do inconsciente, do lado direito do hemisfério cerebral. O tempo da mente corresponde ao tempo sagrado. “O tempo sagrado é pela sua natureza própria reversível, no sentido em que é, propriamente falando, um tempo mítico primordial tornado presente. ” (ELIADE, 1992, p. 81). O tempo sagrado situa-se em outra dimensão. Ele permite ao homem, por meio do rito e do mito, do êxtase e até da análise, adentrar nessa outra dimensão de tempo e dela sair quantas vezes forem necessárias. Todo rito e toda celebração do sagrado possibilitam a recriação do tempo primordial que deu origem ao rito e à celebração. Em sentido bíblico, esse tempo sagrado é o kairós. O kairós, a plenitude do tempo (BÍBLIA, Gálatas – 4:4), corresponde ao momento em que a manifestação de Deus irrompe na história. É a intervenção do sagrado no khronos.

Outra característica do momento presente que me intrigava era o fato de ele ter um trabalho psicológico a fazer. E preciso aglomerar e entender o momento, enquanto ele está passando, e não depois, e voltar para a próxima ação. Com isso em mente, o título seguinte foi Kairós, a palavra grega para o momento propício, ou o momento em que algo vem a ser. Kairós é uma unidade de tempo tanto subjetiva quanto psicológica. Claramente, o momento presente precisa ter aspectos de kairós, porque gera a necessidade de entender o que aconteceu no passado, o que está acontecendo agora e como agir em relação a isso. Ele requer uma completa apreensão dos acontecimentos no momento em que eles se desdobram. (STERN, 2007, p. 15).

Perguntas de Coaching:

Todos precisam de um Sócrates em sua vida para crescer. Quem foi o Sócrates da sua vida? Quem você apontaria como guia, mentor ou coach da sua existência? Nos costumamos buscar as respostas fora de nós, quando as perguntas e respostas mais preciosas encontram -se dentro de nós. Você costuma escutar a si mesmo? Já se perguntou qual o melhor caminho a seguir? Qual a melhora atitude a tomar? Qual a melhor escolha para voce mesmo?

Antonio Maspoli
Antonio Maspoli
Sou Antonio Maspoli, cidadão do mundo, Teólogo e Psicólogo. Deus é a minha herança pessoal, meu caso de amor! Deus encantou-me com o a sua presença. E abriu-me as porta do conhecimento do numinoso: "Eu cri, por isso compreendi" (Agostinho). Desde então dediquei a minha vida a conhecer a Deus. E a minha existência a compreender a natureza humana.

Deixe uma resposta

Espaço para interações e depoimentos.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *